sábado, 22 de agosto de 2020

Padre que disse que menina de 10 anos 'compactuou com o estupro' é investigado por apologia ao crime


Perotto, de Carlinda, afirmou duvidar que criança estuprada pelo tio teria sido abusada; religioso excluiu conta em rede social. Garota teve gravidez interrompida na segunda após autorização judicial.
A Polícia Civil de Mato Grosso abriu nesta sexta-feira (21) uma investigação para apurar se o padre Ramiro José Perotto, de Carlinda, a 774 km de Cuiabá, cometeu apologia ao crime de estupro ao fazer comentários em uma rede social.
 O religioso comentou que a menina capixaba de 10 anos que ficou grávida após ter sido estuprada pelo tio teria "compactuado com o estupro". Ela teve a gravidez interrompida nesta segunda-feira (17), em Pernambuco, após autorização judicial. O post do religioso foi publicado no dia seguinte.
Na abertura do Termo Circunstanciado de Ocorrência (TC0), o delegado responsável pelo caso, Pablo Bonifácio Carneiro, pediu cópias de uma entrevista que o padre concedeu à uma televisão, além da ficha de antecedentes criminais e possíveis boletins de ocorrência contra ele.


Nenhum comentário:

Postar um comentário