terça-feira, 3 de novembro de 2020

Imagens de audiência e sentença de 'estupro culposo' repercutem caso Mari Ferrer

 

Imagens de audiência e sentença de 'estupro culposo' repercutem caso Mari Ferrer
Foto: Reprodução/The Intercept Brasil


A divulgação de imagens de uma audiência do caso de estupro da promotora de eventos Mariana Ferrer, de 23 anos, e o vereadito de “estupro culposo” geraram repercussão, revolta e deixaram o assunto entre os assuntos mais comentados no Twitter nesta terça-feira (3). Na ocasião, o empresário André de Camargo Aranha era julgado pelo estupro da jovem em uma festa que ocorreu em 2018. No entendimento no promotor do caso, não havia como Aranha saber, durante o ato sexual, que a vítima não estava em condições de consentir a relação, não existindo assim “intenção” de estuprar. As imagens foram divulgadas pelo The Intercept Brasil.

 

Diante desse argumento, o juiz entendeu que o empresário cometeu “estupro culposo”. Vale resslatar que essa é uma tese sem precedente da justiça brasileira, e portanto um “crime” não previsto por lei. Reportagem do The Intercept destaca que os fatos levaram a absolvição de Aranha, já que ninguém pode ser condenado por um crime que não existe.

 

No vídeo a que o The Intercept teve acesso, o advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho, contratado por André de Camargo Aranha para defendê-lo, ataca a vítima e utiliza fotos de Mariana fora de contexto. Ele apresenta fotos sensuais de Mariana e chega a classificar as imagens como “ginecológicas”. Em momento algum foi questionado por membros do Tribunal de Justiça catarinense sobre a relação das fotos com o caso.

 

Em outro momento da audiência, o advogado de Aranha afirma que “jamais teria uma filha” do “nível” de Mariana. Ele também repreende o choro dela: “não adianta vir com esse teu choro dissimulado, falso e essa lábia de crocodilo”.

 

A jovem reclamou do interrogatório para o juiz. “Excelentíssimo, eu tô implorando por respeito, nem os acusados são tratados do jeito que estou sendo tratada, pelo amor de Deus, gente. O que é isso?”, diz. As poucas interferências do juiz, Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, ocorrem após as falas de Gastão. Em uma das situações, o juiz avisa Mariana que vai parar a gravação para que ela possa se recompor e tomar água e pede para o advogado manter um “bom nível”.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário