Últimas Notícias

Introdução alimentar: os 5 erros mais cometidos pelos pais

 


Introdução alimentar: os 5 erros mais cometidos pelos pais - Foto: Shutterstock


A partir dos seis meses de idade, as crianças já devem iniciar a introdução alimentar. Especialista explica o que os pais devem evitar 


A Organização Mundial da Saúde (OMS) estipula que os bebês devem se alimentar apenas do leite materno até os seis meses de idade. A partir desse momento, os pais devem iniciar a introdução alimentar, fase em que a alimentação começa a incorporar outros alimentos. No entanto, esse período pode ser repleto de desafios.

A fonoaudióloga Carla Deliberato explica que a alimentação complementar deve ser feita de forma gradual e prazerosa. Isso porque é nessa fase que a criança vai desenvolver o paladar e adquirir um hábito alimentar mais variado. Portanto, é importante estar atento à maneira que os alimentos são introduzidos na dieta dos pequenos.

Para auxiliar os pais que estão diante deste desafio, a especialista destaca os 5 erros mais comuns que os responsáveis cometem durante a introdução alimentar dos filhos. Confira:

1. Bater a comida no liquidificador ou passar na peneira
A fonoaudióloga explica que essa prática é incorreta, pois não estimula os movimentos de mastigação da criança. Outro ponto lembrado pela especialista é que ao visualizar as diferentes texturas e sabores dos alimentos, o bebê vai ter novas experiências e um interesse maior pela comida.

Segundo Carla, o alimento deve ser amassado ou cortado em pedacinhos (o chamado método BLW, do inglês “Baby-led weaning”, ou desmame guiado pelo bebê). “Quanto mais prolongada for a alimentação pastosa, maior pode ser a dificuldade da criança desenvolver o paladar e aceitar outros tipos de alimentos”, reforça.

2. Oferecer alimentos processados e doces  

O ideal é que os pais ofereçam apenas refeições com alimentos dos seguintes grupos: proteína animal, leguminosas, tubérculos e cereais, legumes , verduras e frutas. Por isso, é importante evitar papinhas artificiais, embutidos, frituras e alimentos com sal. Os doces também devem ser evitados até os dois anos de idade.

As papas naturais de frutas e as papinhas naturais salgadas são as mais indicadas, indica a especialista. “Para temperar opte por ingredientes naturais e se precisar usar óleo, procure os vegetais, como óleo de canola, soja ou milho, mas também, sempre em pequena quantidade”, aconselha.

3. Deixar a criança sentar sem postura

A fonoaudióloga destaca que a criança deve estar bem posicionada na hora de comer, de preferência na cadeirinha de alimentação. Isso porque, a partir dos seis meses, ela já tem a capacidade motora de sustentar o tronco e de aproximar com as mãos os alimentos até a linha média da boca.

Há exceções como no caso de bebês que têm atraso no desenvolvimento. Neste caso,  algumas adaptações talvez precisam ser feitas na cadeira de alimentação com o auxílio de um terapeuta. O objetivo é sempre deixar a criança bem posicionada durante as refeições.

4. Punir ou chantagear a criança

“O momento da refeição deve ser prazeroso, por isso os pais não podem castigar a criança por não querer comer ou oferecer uma recompensa, caso coma tudo”, adverte a médica.  

5. Estimular o bebê com aparelhos eletrônicos

A hora de comer deve ser prazerosa, mas isso não significa que os pais devem usar de aparelhos eletrônicos para estimular a criança, como celulares, tablets ou televisão, por exemplo. O ideal é manter um disciplinado e tranquilo.

Carla alerta ainda que se o bebê recusar o alimento constantemente, apresentar náuseas ou vômitos, o ideal é procurar a ajuda de um fonoaudiólogo especialista em dificuldades alimentares.

fonte: Metrópole e Saúde em Dia



Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem