domingo, 17 de novembro de 2019

Os benefícios do karatê para autistas


karate para autistas
As artes marciais, entre elas o karatê, são recomendadas para todas as crianças, inclusive as que possuem características do Transtorno do Espectro Autista (TEA).
Diferente do que muitas pessoas imaginam, o karatê não é um esporte violento, muito pelo contrário. Ele desperta autoconfiança e autocontrole, princípios muito interessantes para crianças que sofrem de déficit de atenção ou que são muito agitadas no dia a dia.
As artes marciais, de maneira geral, pregam a disciplina, que é base para o aprendizado e desenvolvimento de outras habilidades importantes que são praticadas e aprimoradas durante toda a vida.

O que o karatê pode oferecer para as crianças com autismo?

Um dos pontos-chave do karatê são os movimentos, que estimulam a criança a ter mais equilíbrio e melhorar a postura. Juntamente com a disciplina pregada pelas artes marciais, o aluno precisa praticar a concentração e a paciência para executar o movimento de maneira correta e precisa.
Esses três benefícios – equilíbrio, concentração e paciência – são muito importantes e devem ser desenvolvidos em crianças com características de autismo de qualquer grau.
Sobre a idade para começar neste esporte, geralmente a partir dos 5 anos já pode iniciar no karatê. Eu sempre digo que o principal é avaliar caso a caso, ver o que a criança precisa desenvolver e, aos poucos, vamos trabalhando as habilidades dela através da prática de atividade física, independentemente da idade.
Lembrando que a prática de esportes ajuda a desenvolver a musculatura inferior e superior, sendo que essa característica traz consigo outras duas que também são bastante interessantes: a perda de peso e a melhora na alimentação.
No karatê, assim como em outros esportes, o aluno precisa se esforçar e estar bem alimentado para praticar a aula com a dedicação necessária.
Os movimentos praticados no tatame também aguçam os sentidos e os reflexos, aliviam o estresse e ainda melhoram a flexibilidade do corpo

Fonte : esporte inclusão

Nenhum comentário:

Postar um comentário