sábado, 6 de junho de 2020

'Acabou matéria no Jornal Nacional', diz Bolsonaro após atraso de boletim do coronavírus ( VÍDEO )

'Acabou matéria no Jornal Nacional', diz Bolsonaro após atraso de boletim do coronavírus
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu nesta sexta-feira (5) o atraso da divulgação dos boletins do Ministério da Saúde sobre o avanço do coronavírus no Brasil e disse que, com a mudança de horário das 19h para as 22h, "acabou matéria no Jornal Nacional". Ele também se referiu à Rede Globo, que veicula o Jornal Nacional, como "TV funerária".

As declarações ocorreram na porta do Palácio da Alvorada e foram transmitidas pela CNN Brasil.

Na época do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, demitido em 16 de abril, o Ministério da Saúde costumava publicar os boletins da Covid-19, com informações como número de infectados, óbitos e casos em acompanhamento, às 17h. Na gestão de Nelson Teich, a divulgação passou a ser às 19h.

Na quarta-feira (3), na quinta-feira (4) e sexta-feira (5) o Ministério da Saúde só divulgou o boletim às 22h, alegando problemas técnicos. 

O Jornal Nacional, que começa às 20h30, informou que passaria, então, a usar o balanço das secretarias estaduais de Saúde.

Questionado sobre o tema na noite desta sexta, Bolsonaro não confirmou ter dado a ordem para que a divulgação dos números ocorresse depois da exibição do Jornal Nacional e disse que, com o novo horário, os dados saem "mais consolidados".

"É para pegar o dado mais consolidado. E tem que divulgar os mortos no dia. Por exemplo, parece que dois terços dos mortos eram de dias anteriores, o mais variado possível. Tem que divulgar os do dia. O resto consolida pra trás", defendeu o mandatário.

Bolsonaro se referiu à metodologia da informação de óbitos em 24 horas. O dado traz o número de registros compilados nas últimas 24 horas, e há casos de pessoas que morreram em dias anteriores mas cujos testes só ficaram prontos e foram computados na data da divulgação.

O presidente, porém, citou o telejornal e disse que o governo "não tem que correr para atender a Globo".

"Tem que saber quem perdeu a vida por causa da Covid ou com Covid. Às vezes a pessoa tem dez comorbidades, 94 anos, e pegou o vírus. Potencializa. A Globo, o Jornal Nacional, gosta de dizer que o Brasil é recordista em mortes. Falta, inclusive, seriedade. Bota mortes por milhão de habitante. É como querer comprar morte do Brasil, que tem 200 milhões de habitantes, com país que tem 10 milhões de habitantes."

Questionado sobre se a ordem de atrasar a publicação saiu do Palácio do Planalto, Bolsonaro respondeu:

"Não interessa de quem partiu, é justo sair às 22h, é o dado completamente consolidado. Muito pelo contrário, não tem que correr para atender a Globo".

"[É] o horário adequado. Se ficar pronto às 21h, tudo bem. Mas não vai correr às 18h para atender a Globo, a TV funerária. Consolida com clareza, precisão, data certinho", concluiu.

A Globo divulgou uma nota em resposta às declarações de Bolsonaro, lida na edição do Jornal Nacional desta sexta.

"O público saberá julgar se o governo agia certo antes ou se age certo agora. Saberá se age por motivação técnica, como alega, ou se age movido por propósitos que não pode confessar mais claramente. Os espectadores da Globo podem ter certeza de uma coisa: serão informados sobre os números tão logo sejam anunciados. Porque o jornalismo da Globo corre sempre para atender o seu público."

A estratégia do governo não deu muito certo. A Globo utilizou o plantão para divulgar o boletim. 





Nenhum comentário:

Postar um comentário