segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Empresas privadas buscam governo por aval para comprar 33 milhões de doses da vacina de Oxford

[Empresas privadas buscam governo por aval para comprar 33 milhões de doses da vacina de Oxford]

 


 Empresas privadas brasileiras negociam com o governo, através do Ministério da Saúde, uma autorização para importar 33 milhões de doses da vacina de Oxford/Aztrazeneca, de acordo com a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo. 

O plano é que a pasta edite um ato descrevendo as condições para a liberação. Pelo acordo em andamento, metade do total dos imunizantes seria doado ao Sistema Único de Saúde. O restante iria para funcionários e familiares das companhias que fazem parte da negociação.

De acordo com quem está na articulação, estão no grupo para adquirir as vacinas ao menos 12 firmas. Um texto que circula entre empresários cita grandes companhias que estariam no grupo inicial que têm interesse na vacina: Vale, Gerdau, JBS, OI, Vivo, Ambev, Petrobrás, Santander, Itaú, Claro, Whirlpool e ADN Liga.

Ainda conforme a coluna, a ideia é aumentar o número de empresas e incluir quem tiver interesse. Cada uma receberia o equivalente ao que comprou. O objetivo das companhias é garantir a imunização de ao menos parte de suas equipes para manter as atividades em funcionamento. A vontade aumentou depois de o governo ter enfrentado entraves para conseguir importar vacinas e insumos.

Os 33 milhões de doses —a unidade é estimada US$ 23,79— são a quantidade disponibilizada pela Aztrazeneca e poderiam chegar ao Brasil em fevereiro. Segundo empresários, a conversa com o farmacêutica é conduzida pela Dasa, que detém laboratórios e hospitais.

No início do mês, o ministro Eduardo Pazuello (Saúde) disse que a prioridade seria o SUS e “uma vez supridas” as demandas do sistema, as empresas poderiam comprar vacinas disponíveis. Segundo empresários, o governo sinalizou que liberaria a importação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário