segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Faroeste: Filho de desembargadora presa comprou veículo um dia após venda de sentença


Faroeste: Filho de desembargadora presa comprou veículo um dia após venda de sentença

Uma investigação da Polícia Federal no âmbito da Operação Faroeste aponta que o advogado Arthur Barata, filho da desembargadora Lígia Ramos , comprou uma caminhonete Ford Ranger por 145 mil reais um dia após sua mãe proferir uma sentença que teria sido vendida por ela por R$ 400 mil. A informação é da revista Crusoé.

 

Lígia e o filho foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República no esquema de venda de decisões no Tribunal de Justiça da Bahia. A desembargadora está presa .

 

A venda da sentença teria sido intermediada pelo advogado Julio Cesar Cavalcanti Ferreira, que assinou um acordo de elação premiada. Ele afirmou que, dos R$ 400 mil de propina recebidos, ele ficou com R$ 100 mil, e Lígia abocanhou R$ 300 mil. A quantia foi entregue em frente a uma concessionária em Salvador.

 

A investigação identificou que a caminhonete foi adquirida na mesma concessionária em que a propina foi despachada, no dia 5 de setembro de 2018.

 

A Procuradoria acusa a desembargadora e dois de seus filhos (Rui e Arthur Barata) de organização criminosa e, na denúncia encaminhada ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), pede o afastamento dela do cargo. Ao final do processo, se for condenada, Lígia que terá de pagar uma multa de R$ 950 mil— mesmo valor que ela teria recebido pela suposta venda de sentenças em quatro processos.


Lígia Ramos e Arthur Barata | Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário