Últimas Notícias

PIROPO NEWS

Jovem negro é espancado no MA após ser acusado de roubar seu próprio carro

Jovem negro é espancado no MA após ser acusado de roubar seu próprio carro

Um jovem negro de 23 anos foi espancando após ser acusado por um homem e uma mulher brancos de roubar um carro no município de Açailândia (MA). Entretanto, o veículo era de propriedade da vítima agredida, que agora cobra justiça pela violência sofrida.
 

A reportagem obteve imagens que comprovam as agressões, ocorridas no último sábado (18), por volta das 6h30. A Polícia Civil do Maranhão informa que o caso está sendo investigado pelo 1° Distrito Policial de Açailândia e reforça que as partes envolvidas serão ouvidas —a corporação não divulgou os nomes dos agressores.
 

A vítima é Gabriel da Silva Nascimento, que trabalha como recepcionista de uma agência da Caixa na cidade. Ele conta que, no dia da agressão, tinha descido do condomínio onde mora para vistoriar o carro, já que faria uma viagem para encontrar colegas para uma confraternização no município de Governador Edison Lobão.
 

"Foi então que fui surpreendido pelo casal. Eles me perguntaram o que eu estava fazendo, já em um tom intimidador. Eu, já com as mãos levantadas, falo que estou observando o carro para sair. Me identifiquei que morava ali, que era inquilino e que o carro era meu, e a chave estava na ignição. Mas eles começaram a me agredir fortemente", disse Gabriel.
 

Segundo a vítima, a mulher mora no mesmo condomínio que ele.
 

O vídeo mostra Gabriel sendo abordado pela dupla. Logo após se afastar com as mãos para cima, ele é segurado e leva uma rasteira do homem. Em seguida, o agressor chuta e pisa na vítima.
 

Um segundo vídeo mostra que o agressor coloca o pé sobre o pescoço de Gabriel. "A mulher pediu para que ele me segurasse até a polícia chegar. Naquele momento senti que iria morrer", conta, citando que só foi salvo após um vizinho intervir.
 

"Ele apareceu e perguntou o que estava ocorrendo. Aí ele chamou a mulher e disse que eu era inquilino e o carro era meu", lembra.
 

Em um áudio supostamente gravado pelo agressor, ele conta, aos risos, que pensou se tratar de um ladrão de carro —ele diz que eram 6h30 e que a vítima estava com uma chave de fenda na mão.
 

"O que quero é justiça. É revoltante uma situação dessas. Isso ocorreu só por acharem que um negro franzino, como eu, não pode ter um carro. Isso não pode ocorrer mais com as pessoas. Isso é racismo, é crime", afirmou a vítima.
 

O caso revoltou colegas e amigos de Gabriel.
 

"Ele trabalha aqui na Caixa com a gente há quase 3 anos. Está contratado como recepcionista, faz a triagem e direciona os clientes. Ele começou ainda como estagiário bolsista, é uma pessoa muito tranquila. Todo mundo gosta dele, e ninguém entendeu a forma como ele foi tratado", conta Francisco Souza, que é funcionário concursado da Caixa e delegado sindical de Açailândia.
 

Advogado da vítima, Marlon Reis disse à reportagem que vai defender o jovem para qualificar o caso como injúria racial.
 

"Em primeiro lugar nós vamos lutar para que o caso seja enquadrado como injúria racial, e não como simples injúria. Ele foi vítima de injúria racial e de graves lesões físicas. Na verdade, até atentaram contra a vida dele porque tentaram asfixiá-lo com os pés e com o braço, como dá para ver nos vídeos", diz.
 

O jovem também está sendo apoiado pelo Centro de Defesa da Vida e dos Direitos Humanos Carmen Bascaran, que organiza —junto com outras entidades locais, como o sindicato dos bancários do Maranhão— um ato em apoio ao jovem. "Nossa intenção é dar visibilidade e produzir justiça", diz convocação do ato.



 Folhapress

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
PIROPO NEWS
header ads
header ads
header ads