Últimas Notícias

Prontos para morrer: brasileiros gastam até R$ 7 mil para ir à Ucrânia

 Grupo de ao menos 500 brasileiros estaria mobilizado para participar do conflito.


Um grupo de ao menos 500 brasileiros está se mobilizando, por meio de aplicativos de mensagens como WhatsApp e Telegram, para participar do conflito entre Rússia e Ucrânia, que acontece atualmente no território ucraniano. Segundo o portal UOL, que conversou com os interessados, os custos são de até R$ 7 mil por pessoa.

De acordo com a publicação, o grupo pretende se alistar à Legião Internacional de Defesa do Território, criada pelo governo ucraniano em meio ao conflito com as tropas russas. Aproximadamente cem pessoas formalizaram contato junto à Embaixada da Ucrânia no Brasil e 15 brasileiros já estão na zona de conflito.

Um dos integrantes do grupo é atirador esportivo e ex-militar Adalton Silva, proprietário de uma empresa de segurança privada no interior do Rio de Janeiro. Silva, que teve três anos de experiência no batalhão de infantaria das Forças Armadas brasileiras, diz que participar de sete grupos no WhatsApp — cinco deles como administrador.

De acordo com ele, 80% do grupo de interessados em atuar no conflito é formado por ex-militares. O restante é composto por tradutores com fluência nos idiomas ucraniano ou inglês, médicos e enfermeiros.

– Temos uma equipe bem estruturada disposta a ajudar. São pessoas para as quais eu posso falar: ‘cubra a minha retaguarda’, ‘acerte um alvo a 300 metros de distância’. É gente da minha inteira confiança e subordinada a mim. Não queremos levar ninguém para morrer – afirma.

Atualmente, Silva tenta conseguir transporte para levar o grupo até a Polônia, na fronteira com a Ucrânia, onde os alistamentos para integrar a Legião Internacional de Defesa do Território estão ocorrendo. Para isso, ele chegou inclusive gravou um vídeo com pedido de apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

Outro integrante do grupo é o empreendedor Bruno Evans, de 27 anos, que já tem data prevista para deixar o Brasil em direção à Polônia. Segundo ele, os gastos são de até R$ 7 mil com passagens aéreas e documentação. Com dois anos de experiência na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, ele diz estar disposto a morrer.

– Estou disposto a morrer na guerra, se necessário. Quem vai para a Ucrânia, tem que saber dos riscos. Não sei se vou sair da guerra vivo ou se vou ficar com sequelas. Mas minha ideia é ficar na Ucrânia e não voltar mais ao Brasil – declara.



Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

header ads