Últimas Notícias

Bolsonaro vai à Flórida abrir vice-consulado em ação incomum; Itamaraty não detalha custos




Depois de conversar com Joe Biden em Los Angeles, na Califórnia, às margens da Cúpula das Américas, o presidente Jair Bolsonaro (PL) vai cruzar os Estados Unidos para encontrar apoiadores e inaugurar neste sábado (11) um vice-consulado brasileiro em Orlando, na Flórida --um de seus redutos eleitorais no país.
 

A representação diplomática é uma demanda antiga. Brasileiros que moram na região hoje precisam se deslocar a Miami para o atendimento --de carro, o trajeto é feito em ao menos quatro horas. Diplomatas ouvidos pela reportagem destacam que não é comum um presidente viajar exclusivamente para a inauguração de um vice-consulado, que tem atribuições meramente burocráticas.
 

Procurado, o Itamaraty não informou qual foi o valor investido para a nova estrutura de Orlando nem quantos funcionários ela terá. O órgão se limitou a enviar uma nota na qual afirma que a representação levará para mais perto dos cidadãos do Brasil serviços consulares fundamentais --documentos de viagem, registros civis e procurações.
 

"Incrementará, ainda, a prestação de assistência consular emergencial às centenas de milhares de turistas brasileiros que visitam a região todos os anos", diz trecho do comunicado. O país tem dez consulados-gerais nos EUA hoje, e o Itamaraty tampouco informou quanto eles custam aos cofres públicos.
 

A Flórida, com vários parques de diversão, é um dos principais destinos turísticos dos EUA --cerca de 800 mil turistas brasileiros visitavam a região a cada ano antes da pandemia. Além dos viajantes, o estado americano vem atraindo cada vez mais a diáspora para residência. Já são cerca de 470 mil, dos quais mais de 180 mil moram na região de Orlando.
 

Reduto de brasileiros, a cidade é uma região importante para as ambições políticas do presidente, que neste ano buscará a reeleição. Em 2018, Bolsonaro conquistou 91% dos votos em Miami no segundo turno disputado contra Fernando Haddad (PT).
 

Não à toa o presidente deve aproveitar a viagem para se encontrar com apoiadores. A agenda coincide com o 1º Congresso Conservador Brasileiro da Flórida, evento que terá a presença do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos e de Roberto Jefferson, presidente do PTB.
 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do presidente, chegou a gravar um vídeo de apoio ao encontro, organizado pelo grupo de direita Yes Brazil USA. Bolsonaro concedeu indulto a Silveira após o deputado ter sido condenado a 8 anos e 9 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal --além de multa e perda dos direitos políticos.
 

O presidente também esteve em Miami em março de 2020. À época, se encontrou com apoiadores e os incitou contra o sistema eleitoral brasileiro dizendo, sem provas, ter havido fraude no pleito de 2018.
 

O presidente viajou aos EUA nesta semana na quinta-feira (9), onde participou da Cúpula das Américas em Los Angeles e teve a primeira conversa com o democrata Joe Biden. Ao final do evento, viajaria cerca de 3.500 quilômetros para a inauguração do vice-consulado que, numa primeira fase, processará autorizações de retorno ao Brasil e de viagens de menores, além de concessão de passaporte.
 

O vice-consulado deve atender um público equivalente a 40% da comunidade brasileira do estado da Flórida. Estima-se que o posto produzirá cerca de 9.000 passaportes e quase 3.000 procurações por ano.
 

Os brasileiros, contudo, continuarão podendo demandar qualquer serviço consular junto ao consulado-geral em Miami, que também ficará responsável pelas áreas de promoção comercial, cultural, de ciência e tecnologia e cooperação acadêmica.
 

O vice-consulado em Orlando é o primeiro de um pacote de cinco aberturas anunciadas em janeiro pelo Itamaraty. As outras quatro são os consulados-gerais em Marselha (França), Edimburgo (Escócia) e Chengdu (China) e o vice-consulado em Cusco (Peru).


por Folhapress

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

header ads