quarta-feira, 6 de maio de 2020

Governo volta atrás de nomeação de maestro Mantovani na presidência da Funarte

Governo volta atrás de nomeação de maestro Mantovani na presidência da Funarte
A nomeação do maestro Dante Mantovani na presidência da Funarte foi revogada. Ele foi nomeado para o cargo na manhã desta terça-feira (5), mas o governo voltou atrás da decisão em edição extra do "Diário Oficial da União" publicada no começo da noite. Foi o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, quem assinou a nomeação e a revogação em menos de 24 horas.

Antes da nomeação na manhã desta terça, agora tornada sem efeito, Mantovani havia sido exonerado do mesmo cargo há dois meses, no dia em que a atriz Regina Duarte assumiu o comando da Secretaria da Cultura no governo Jair Bolsonaro, de acordo com o G1.

Fontes do Planalto afirmaram à TV Globo que Regina Duarte ligou no início da tarde para Braga Netto, pedindo uma audiência com Bolsonaro. Na ligação, a secretária de Cultura reclamou da nomeação de Mantovani e expôs desconforto com a posição à frente da pasta. Horas depois, o recuo foi publicado no Diário Oficial.

O almoço entre Regina Duarte e Bolsonaro, previsto para esta quarta-feira (6), está mantido. Desde o início da manhã, interlocutores do presidente negaram que houvesse uma intenção de Bolsonaro em "fritar" ou demitir Regina do posto.

A Funarte é o órgão federal responsável por desenvolver políticas públicas de fomento às artes visuais, à música, ao teatro, à dança e ao circo.

De acordo com a assessoria de Regina Duarte, a Funarte é responsabilidade do Ministério do Turismo. Nomeações e exoneração no órgão ficam a cargo da pasta. A atriz não comentou o caso. Segundo a jornalista Andréia Sadi, Regina não foi comunicada sobre o retorno de Mantovani à Funarte nesta manhã.

Dante Mantovani é maestro e também tem um canal no YouTube em que discute temas relacionados à cultura. Quando presidiu a Funarte pela primeira vez, tendo sido nomeado em dezembro de 2019, ficou conhecido por relacionar, em um vídeo em seu canal, o rock a drogas, ao sexo, ao aborto e ao satanismo.

“O rock ativa a droga que ativa o sexo que ativa a indústria do aborto”, comentou em vídeo. "A indústria do aborto por sua vez alimenta uma coisa muito mais pesada que é o satanismo. O próprio John Lennon disse abertamente, mais de uma vez, que ele fez um pacto com o diabo, com o satanás para ter fama, sucesso", continua.

Além da graduação em Música, Mantovani é especialista em Filosofia Política e Jurídica e Mestre em Linguística. Em 2013 defendeu o doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário