segunda-feira, 27 de julho de 2020

Grupo com 152 bispos da Igreja Católica assina carta crítica ao governo Bolsonaro

[Grupo com 152 bispos da Igreja Católica assina carta crítica ao governo Bolsonaro]


No texto, sacerdotes pedem um amplo diálogo nacional e acusam Bolsonaro de usar o nome de Deus para difundir mensagens de ódio e preconceito



Um grupo de 152 arcebispos, bispos e bispos eméritos da Igreja Católica assinou uma carta se posicionando contra o governo de Jair Bolsonaro.
Segundo a Folha, o texto estava sendo analisado por um conselho da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), mas vazou ontem (26). Os signatários da carta pedem uma união por um diálogo antagônico às ações do governo.
Especificamente, chamam para “um amplo diálogo nacional que envolva humanistas, os comprometidos com a democracia, movimentos sociais, homens e mulheres de boa vontade, para que seja restabelecido o respeito à Constituição Federal e ao Estado Democrático de Direito, com ética na política, com transparência das informações e dos gastos públicos, com uma economia que vise ao bem comum, com justiça socioambiental, com "terra, teto e trabalho”, com alegria e proteção da família, com educação e saúde integrais e de qualidade para todos”.
Os sacerdotes ainda acusam Bolsonaro de usar o nome de Deus para difundir mensagens de ódio e preconceito. “Como não ficarmos indignados diante do uso do nome de Deus e de sua Santa Palavra, misturados a falas e posturas preconceituosas, que incitam ao ódio, ao invés de pregar o amor, para legitimar práticas que não condizem com o Reino de Deus e sua justiça?”, questionam. Em outros dois trechos da carta, os bispos falam sobre o desprezo do governo pelos direitos humanos e, também, “pela educação, cultura, saúde e pela diplomacia”.
“Esse desprezo é visível nas demonstrações de raiva pela educação pública; no apelo a ideias obscurantistas; na escolha da educação como inimiga; nos sucessivos e grosseiros erros na escolha dos ministros da educação e do meio ambiente e do secretário da cultura; no desconhecimento e depreciação de processos pedagógicos e de importantes pensadores do Brasil; na repugnância pela consciência crítica e pela liberdade de pensamento e de imprensa; na desqualificação das relações diplomáticas com vários países; na indiferença pelo fato de o Brasil ocupar um dos primeiros lugares em número de infectados e mortos pela pandemia sem, sequer, ter um ministro titular no Ministério da Saúde (...)”, argumenta o grupo.
Após o vazamento, a CNBB se isentou do conteúdo da carta, que disse ser “de responsabilidade dos signatários”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário