Últimas Notícias

OMS já contabilizou 72 ataques contra instalações médicas na Ucrânia

 


Organização teme que ataques a hospitais estejam se tornando parte da "estratégia e tática" mais ampla da guerra moderna


Mais de 70 ataques separados a hospitais, ambulâncias e médicos foram realizados na Ucrânia desde que a invasão russa começou há mais de um mês - e esse número está aumentando "diariamente", segundo Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo a organização, ter instalações médicas como alvo tornou-se parte da estratégia e tática da guerra moderna.

O hospital central recém-reformado em Izyum, ao sul de Kharkiv, foi alvo recente, em 8 de março.

O local foi atingido pelo que as autoridades ucranianas disseram ser projéteis russos.

Vídeos e fotos postados online pelo vice-prefeito da cidade mostraram grandes danos ao edifício principal do hospital. Uma nova área de recepção construída no ano passado foi completamente destruída.

A filmagem foi verificada pela BBC e outros meios de comunicação, embora as circunstâncias exatas do ataque sejam impossíveis de estabelecer neste momento.

"Depois do primeiro bombardeio, as janelas do hospital explodiram", disse o vice-prefeito Volodymyr Matsokin à BBC.

Um segundo ataque destruiu as salas de cirurgia do hospital, acrescentou.

Naquele dia, a equipe do hospital estava tratando crianças, mulheres grávidas e três recém-nascidos, bem como soldados e civis feridos em combates ferozes na região, segundo as autoridades ucranianas.

Eles estavam abrigados no porão no momento do ataque e ninguém foi morto.

"O governo investiu milhões para fornecer boas instalações com equipamentos modernos", disse Matsokin. "Os pacientes tiveram que sair dos escombros por conta própria para escapar."

A BBC entrou em contato com a embaixada russa em Londres sobre o ataque, mas não recebeu resposta, embora no passado Moscou tenha negado deliberadamente atacar civis.

Desde 24 de fevereiro, a OMS revisou e verificou 72 ataques separados a instalações médicas na Ucrânia, causando pelo menos 71 mortes e 37 feridos.

A maioria danificou hospitais, meios de transporte médicos e lojas de suprimentos, mas a OMS também registrou o "provável" sequestro ou detenção de profissionais de saúde e pacientes.

"Estamos preocupados que esse número esteja aumentando diariamente", disse o representante da OMS na Ucrânia, Jarno Habicht, à BBC.

"As instalações de saúde devem ser locais seguros para médicos e enfermeiros, mas também para pacientes terem a quem recorrer para tratamento. Isso não deve acontecer."

Como a guerra na Ucrânia é um conflito armado internacional entre dois estados, aplicam-se as Convenções de Genebra.

Ampliadas após a Segunda Guerra Mundial, as convenções estabelecem os direitos básicos de civis e militares e estabelecem proteção para feridos e doentes. Eles foram ratificados pelo que era então a União Soviética em 1954.

De acordo com o artigo 18 das Convenções, os hospitais civis "não podem em nenhuma circunstância ser objeto de ataque, mas devem ser sempre respeitados e protegidos".

Uma violação dessa regra pode ser investigada pelo Tribunal Penal Internacional em Haia e, se for considerado um crime de guerra, os perpetradores individuais podem ser processados e punidos.

No entanto, existem exceções às Convenções.


G1 mundo

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

header ads